Arquivo da categoria ‘Orientações’

Quais as principais diferenças entre vírus e bactéria?

Bactéria

ESTRUTURA: Microrganismo unicelular com membrana e citoplasma, sem núcleo definido. Seu material genético, o ácido desoxirribonucleico (DNA), fica disperso.

MODO DE VIDA: Algumas são parasitas e causam doenças como a pneumonia e a cólera. Outras mantêm uma relação harmoniosa com os seres vivos, como as que vivem no intestino humano, auxiliando a digestão. Há ainda as que se alimentam de matéria orgânica morta.

TAMANHO:   O diâmetro da maioria varia entre 0,2 e 2 micras (unidade que representa 1 milésimo de milímetro) e o comprimento entre 2 e 8 micras. Elas são visíveis a olho nu (se reunidas em colônias) ou com auxílio de microscópios ópticos.

SENSÍVEL A ANTIBIÓTICOS? Sim.

Vírus

Vírus da gripe

ESTRUTURA:   Microrganismo acelular. Os mais simples apresentam uma cobertura proteica que envolve seu material genético – o ácido desoxirribonucleico (DNA) ou o ribonucleico (RNA).

MODO DE VIDA:   Todos são parasitas intracelulares. Alguns causam doenças em seres vivos, como a aids, a gripe, o sarampo e a rubéola.

TAMANHO:   Geralmente, eles são menores que as bactérias. O comprimento varia entre 20 e 1.000 namômetros (unidade que representa 1 milionésimo de milímetro). São visíveis somente com auxílio de microscópios eletrônicos.

SENSÍVEL A ANTIBIÓTICOS? Não.

Fonte: Revista Nova Escola

Síndrome Gripal

Com a chegada dos dias mais frios, aumentam os casos de gripe, ou síndrome gripal.

Definição de Síndrome Gripal:  Paciente portador de doença aguda, com febre, mesmo que referida, mais tosse ou dor de garganta e pelo menos um desses sintomas: dor de cabeça, no corpo ou nas articulações.

Sinais de agravamento: Dificuldade para respirar, persistência ou aumento da febre por mais de três a cinco dias (podendo indicar pneumonia), piora de sintomas gastrointestinais (como vômito e diarreia).

Orientações para pessoas com sintomas de gripe: Pessoas com síndrome gripal, pertencendo ou não aos grupos mais vulneráveis, devem ser afastadas temporariamente de suas atividades de rotina (trabalho, escola) por sete dias, a partir do início dos sintomas, e orientadas a ficar atentas a todas as manifestações clínicas de agravamento. Se persistirem ou se agravarem algumas das queixas em até dois dias depois da primeira consulta, o paciente deve retornar imediatamente ao serviço de saúde.

Medidas preventivas de eficácia comprovada:

Algumas medidas devem ser amplamente adotadas:

• Higienizar as mãos com água e sabão ou com álcool gel, principalmente depois de tossir ou espirrar; depois de usar o banheiro, antes de comer, antes e depois de tocar os olhos, a boca e o nariz;

• Evitar tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies potencialmente contaminadas, como corrimãos, bancos, maçanetas, etc.;

• Evitar proteger a tosse e o espirro com as mãos, utilizando, preferencialmente lenço de papel descartável;

• Manter hábitos saudáveis, como alimentação balanceada, ingestão de líquidos e atividade física.

• Pessoas com síndrome gripal devem evitar contato direto com outras pessoas, aglomerações e ambientes coletivos.

Orientações para pacientes com doenças respiratórias

• Procure ter uma vida saudável. Alimente-se bem, durma bem, caminhe com frequência ou pratique esportes.

• Mantenha seu peso sob controle. Sobrepeso e obesidade fazem você se cansar mais facilmente. Se preciso, procure ajuda com um profissional nutricionista.

• Mantenha a casa limpa e arejada. Verifique se há focos de infiltrações ou mofo.

• Modifique seu quarto: mantenha colchões e travesseiros forrados, retire tapetes, almofadas, bichos de pelúcia. Afaste as camas das paredes.

• Evite animais em casa, mas se já os tiver, dê banho toda semana e afaste-os dos quartos. Não deixe que subam em camas, sofás, móveis.

• Não fume e não deixe que fumem junto aos alérgicos. Não permita que ninguém fume dentro de sua casa.

• Evite ficar perto de fumaças, locais com produtos químicos, odores fortes, perfumes, produtos de limpeza. A sensibilidade de cada um pode variar com estes produtos. Evite cosméticos com odores intensos.

• Previna-se contra as gripes. Faça as vacinas preventivas.

• Faça uso dos remédios conforme as receitas de seu médico. Nem todas as crises são iguais, e às vezes há necessidade de reajuste das doses.

• Não tenha medo de bombinhas ou de cortisona. Mas só os use com orientação médica.

• Retorne ao médico regularmente. É importante fazer a avaliação também quando você estiver bem.

• Não deixe que os sintomas de tosse, falta de ar e chiado no peito fiquem sem avaliação médica. Marque a consulta com seu médico e em caso de urgência procure atendimento imediato no pronto-atendimento.

Baixa umidade do ar aumenta atendimentos de doenças respiratórias

Em algumas regiões do país a umidade relativa do ar tem caído, originando um clima mais seco, propício a causar um aumento nos atendimentos à doenças respiratórias.

Índices de umidade do ar baixo podem causar irritação nos olhos, garganta e nariz de indivíduos sadios, mas também pioram muito os quadros de rinite e asma.

No nariz, o ar deve ser umificado e filtrado, mas nesta época,  chega às vias respiratórias mais seco que o habitual. Desta forma, provoca irritação, coceira, aumento da secreção, tosse, obstrução nasal. Nos olhos, pode provocar sensação de ressecamento, ardência, olhos vermelhos e fotofobia (dificuldade para olhar para a luz).

Recomendações de saúde frente ao tempo seco:

  • Usar umidificadores de ar ou colocar uma vasilha com água ou toalha molhada no lugar onde irá dormir;
  • Manter a casa higienizada, arejada e ensolarada;
  • Tomar bastante líquido para hidratar corpo e secreções;
  • Evitar exposição prolongada a ambientes com ar-condicionado, já que este ajuda a ressecar o ambiente;
  • Realizar atividades físicas antes das 10h ou após 17h, quando o ar está mais úmido;
  • Forrar travesseiros e colchões com plástico, usar edredons ao invés de cobertores, retirar tapetes ou objetos que acumulem pó como livros, revistas, brinquedos de pelúcia e caixas;
  • Evitar produtos de limpeza com cheiros fortes;
  • Usar persianas laváveis;
  • Evitar plantas dentro da casa;
  • Não deixar ninguém fumar dentro de casa;
  • Usar roupas leves quando a temperatura estiver elevada;
  • Usar soro fisiológico para os olhos ou narinas se houver irritação;
  • Evitar animais dentro de casa.

Ambientes de trabalho livres do fumo

manuallivrefumoEstá disponível para download o Manual “Ambientes de trabalho livres do fumo – Como tornar sua empresa mais produtiva, segura e saudável“.

Elaborado pela ACTBr – Aliança Contra o Tabagismo – Brasil, o manual é fonte de consulta indispensável para aqueles que pretendem criar um ambiente livre do fumo e ajudar as pessoas a abandonarem o cigarro.

Veja aqui o manual e também visite o site da ACTBr.

Dicas úteis para parar de fumar

Planeje
Determine um dia em que você vai parar e crie um plano de ação para chegar lá. Depois que você parar, não fume – NEM UMA TRAGADA!

Procure ajuda
Pesquisas mostram que você tem uma maior chance de conseguir parar de fumar se tiver ajuda. Sua família e amigos podem oferecer apoio para ajudá-la a lidar com acontecimentos que aumentem sua ansiedade e sua vontade de fumar.

Mude sua rotina
Inclua ginástica na rotina diária e procure controlar o stress de maneiras saudáveis.

Consiga medicamentos e use corretamente
O Ministério da Saúde aprovou diversos medicamentos, como reposição de nicotina, que ajudam a parar de fumar. Consulte seu médico sobre o assunto.

Esteja preparado
A maior parte das recaídas ocorre nos três primeiros meses depois de parar e a maior parte das pessoas tenta diversas vezes antes de finalmente conseguir largar o cigarro. Tente evitar situações “tentadoras”, como beber ou sair com fumantes.

Dicas para parar de fumar

Se você deseja parar de fumar, leia abaixo as diversas formas de parada, escolha uma e a melhor data para não fumar mais:

  • Parada abrupta (mais eficaz), jogar o maço no lixo e não fumar mais.
  • Redução gradual, ou seja, contar quantos cigarros fuma por dia, determinar quantos cigarros serão diminuídos por dia, NÃO esquecer de jogar o restante no lixo.
  • Adiamento gradual, adiar em 1 hora o 1o. cigarro que fuma no dia até parar.

ATENÇÃO

Planeje para que na forma de redução gradual ou adiamento em 2 semanas não esteja mais fumando.
O cheiro e os objetos associados ao hábito de fumar são perigosos, portanto para facilitar o distanciamento e o esquecimento do cigarro tome as seguintes providências:

  • Troque os lençóis, lave as roupas pessoais, lave o carro, retire os cinzeiros e doe os isqueiros, jogue no lixo os cigarros e evite hábitos associados (café, bebidas alcoólicas…).
  • Identifique em qual momento o cigarro está presente em seus hábitos e inicie com as mudanças:

Fumar e falar no telefone = caneta e papel na mão.

Fumar após as refeições = escove os dentes.

Fumar e ir ao banheiro = leve uma revista.

Fumar e tomar café = substitua no início por chá calmante (erva-doce ou cidreira, camomila).

Fumar e beber substância alcoólica = evite no inicio (observe que ao beber você fuma mais).

O QUE PODE ACONTECER QUANDO VOCÊ PARA DE FUMAR?

  • A primeira reação é o forte desejo de fumar, que é chamado de fissura.
  • Você pode aprender a controlá-la, pois ela só dura 1,5 minuto.
  • Cada vez que for controlada ela voltará mais fraca e com menos frequência e você será um vitorioso, pois estará vencendo a dependência.

Outras reações que podem ocorrer são:

  • Irritabilidade, ansiedade, insônia, dificuldade de concentração, prisão de ventre, sede, dores de cabeça.

Não é necessário que todas estejam presentes e costumam durar menos do que 2 semanas. Peça ajuda de familiares ou amigos que possam estar do seu lado neses primeiros dias.

COMO CONTROLAR A FISSURA?

  • Lembre-se que em 1,5 minuto ela vai embora.
  • Beba água.
  • Respire profundamente se possível com os olhos fechados, esse exercício respiratório ajuda a relaxar.
  • Masque cravo, canela, legumes crus (cenoura, erva-doce ou pepino cortado em palito).
  • Frutas, cristais de gengibres, balas e chicletes dietético, bolachas de água e barras de cereal light.
  • Tenha sempre por perto o “kit fissura”, pois eles ajudam a diminuir a ansiedade e não engordam.

Largando o cigarro você estará mudando seus hábitos para uma vida mais saudável, então pense em iniciar uma atividade física.  Uma boa opção é a caminhada por 30 minutos por dia. Se não for possível, divida esse tempo em 10 minutos pela manhã, 10 minutos no almoço e 10 minutos à noite. Os exercícios ajudarão a diminuir a ansiedade e o controle de peso.

PARABÉNS! VOCÊ CONSEGUIU! PERCEBA AS BOAS MUDANÇAS QUE ESTÃO OCORRENDO NO SEU CORPO:

  • Em 20 minutos a pressão arterial e os batimentos cardíacos retornam ao normal.
  • Em 8 horas os níveis de monóxido de carbono retornam ao normal.
  • Em 1 dia há redução do risco de ataques cardíaco.
  • Em 3 dias seu fôlego começa a melhorar.
  • De 2 a 12 semanas melhora a circulação.
  • Entre poucos dias e algumas semanas o paladar e o olfato se recuperam completamente.

ATENÇÃO

Não se coloque a prova, não faça testes, pegando um simples cigarro para matar a saudade ou para provar que você não precisa mais dele.

ESSA ATITUDE É MUITO PERIGOSA E PODE LEVAR A RECAÍDA.

CONTINUE TENTANDO…

  • Se for difícil parar de fumar na 1a. tentativa, reflita sobre a situação que o levou a pegar o cigarro e tente descobrir o que poderia ter sido feito.
  • Escolha uma nova data e comece novamente, pois o importante é continuar tentando.
  • Muitas pessoas já conseguiram parar, você pode ser o próximo!!!

(Coordenação Estadual do Programa de Controle do Tabagismo – telefone 11 3329 4455 – email cratod@saúde.sp.gov.br)

Fonte: Centro de Referência de Álcool, Tabaco e Outras Drogas – CRATOD

Doze conselhos para sua consulta médica ser mais eficiente

Alguma vez você saiu do consultório médico achando que sua consulta poderia ter sido melhor, ter “rendido” mais?

Se você respondeu que sim, não se preocupe. Nós, médicos, também achamos que elas podem melhorar.

Então, aqui vão alguns conselhos para que a próxima consulta seja melhor:

1. Chegue um pouco antes do horário da consulta. Quando a primeira consulta atrasa, todas as seguintes atrasam também. Às vezes alguém falta, e é possível ajustar o horário. Não se esqueça que se perde um tempo para fazer sua ficha, para medir sua altura e peso. Por isso é bom chegar um pouco antes, em torno de dez minutos.

2. Não esqueça a carteirinha de identificação ou a guia de seu plano de saúde. A secretária do médico é orientada a solicitar sua identificação pelos próprios planos de saúde, pois estes só vão pagar ao médico se você estiver em situação regular. Não desconte nas secretárias o fato de você não ter pago a mensalidade do plano de saúde.

3. Seja mais tolerante. A sua consulta pode ter atrasado um pouco porque o médico teve uma urgência no hospital ou alguma consulta que necessitou de atendimento prioritário. Um dia você também pode precisar de um “encaixe” e os outros podem ter que ceder o horário a você.

4. Acompanhante é para quem precisa – crianças, adultos dependentes, idosos. No máximo, um acompanhante, e deve ser aquele que saiba o que está acontecendo com o paciente. Lógico que o marido ou a esposa podem acompanhar a consulta, mas evite levar a família toda. Além de lotar a sala de espera, não trazem benefício algum à consulta. Crianças também atrapalham a consulta de adultos.

5. Tenha foco naquilo que motivou a consulta. Evite perder tempo contando a história da sua vizinha ou daquele parente que teve algo parecido há vinte anos. Conte os seus sintomas, aquilo que você está sentindo, e descreva objetivamente ao médico o que é importante. Se você não souber como fazer isso, o médico procurará dirigir a consulta, fazendo perguntas sobre seus vários órgãos e sistemas. O seu tempo e o do seu médico são preciosos.

6. Não exagere e nem esconda seus sintomas. Aquela dor “terrível” e aquela febre “altíssima” de seu filho não são dignas de muita credibilidade quando ele entra pulando e não pára no consultório, por exemplo. Da mesma forma, uma dorzinha contínua pode ser importante. Seja coerente e sincero com você mesmo.

7. Informe corretamente os medicamentos que você está utilizando. É freqüente o médico perguntar sobre os remédios e o paciente dizer que é aquele “azulzinho” ou o “comprimido branquinho”. É impossível para qualquer médico lembrar cores e formas de todos os medicamentos. Tenha sempre anotado o nome, a dose e o horário de cada um dos medicamentos. Isto faz com que não sejam receitados remédios com efeitos adversos e nem repetidos.

8. Leve os exames recentes. Os exames realizados nos últimos seis meses, no mínimo, agilizam a consulta e facilitam o raciocínio médico, além de servirem para comparações e evitar gastos desnecessários com exames repetidos. Se todos fizerem isso, a economia de exames pode tornar seu plano de saúde mais barato no futuro. Guarde-os com cuidado então.

9. Confie em seu médico. Construa uma relação sólida com ele. Quem tem um médico, tem um médico. Quem tem três, não tem nenhum. Um deles tem que ser o médico que orienta seu tratamento, que conhece você melhor, que monta o quebra-cabeças de seus sintomas e queixas. Os outros o ajudam quando necessário. Um bom clínico geral no momento certo é melhor que um especialista fora da sua área de atuação.

10. Evite consultas por telefone e pela internet. O médico tem que avaliar você como um todo, mesmo que ele o conheça bem. Os Conselhos de Medicina não aprovam as consultas pela internet, justamente por este motivo. E embora a internet seja uma grande fonte de informações, nem tudo que está escrito é verdadeiro. Cheque bem se as fontes são confiáveis.

11. Desligue seu celular antes de entrar no consultório. Sim, é isto mesmo. Você pode viver sem ele por algum tempo. Há alguns anos eles não existiam e você vivia perfeitamente bem. O momento da sua consulta é importante para você e para seu médico. Toda a consulta é feita de maneira coerente, e conforme você vai relatando, o médico vai ordenando suas idéias e formando o raciocínio clínico. Um toque de telefone acaba com tudo isso. Deixe-o no modo silencioso e após a consulta você checa as mensagens e chamadas.

12. Imprima e guarde estes conselhos. Na sua próxima consulta, eles poderão fazer a diferença.

Cuidados com a higiene para pacientes alérgicos

A higiene do ambiente doméstico tem grande importância na vida do paciente alérgico, principalmente para as pessoas portadoras de rinite alérgica e asma. As medidas de higiene têm sua indicação não só no controle da doença, mas também na prevenção das crises.

Dentro de casa, os principais inimigos dos alérgicos são os ácaros, alérgenos de animais domésticos e baratas.

Os ácaros da poeira doméstica são animais microscópicos, portanto invisíveis a olho nu, e medem cerca de 0,3 mm de tamanho. Sua principal fonte de alimento é a descamação de pele humana. Normalmente, descamamos durante a noite cerca de 1 a 2 g de pele, e os ácaros se alimentam dela. Então, os colchões, roupas de cama e travesseiros são os principais lugares para proliferação dos ácaros. Outros locais importantes são os estofados, sofás, cortinas, carpetes e tapetes. Continuar a leitura »

Teste de Fagerström

O Teste de Fagerström auxilia a estimar o grau de dependência da nicotina. É utilizado como ferramenta na terapia para ajudar a parar de fumar. Continuar a leitura »

Por quê este site?

Pulmões de fumante e de não-fumante

Diariamente atendo pacientes em fase final de doenças pulmonares. Alguns com câncer de pulmão, muitos com enfisema e bronquite crônica. Vejo neles o sofrimento causado pelo cigarro e o arrependimento por não ter parado antes.

Além de ajudar as pessoas a parar de fumar, acredito ser também dever do médico participar do processo de informação e educação continuada da comunidade.

Pare de fumar e ajude alguém a parar. Enquanto é tempo.

Enquete

Se você parou de fumar, como conseguiu?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
Calculadora de cigarros
Número de anos em que você fuma ou fumou:


Média diária de cigarros fumados:


Preço médio de um maço de cigarro:

Use "ponto" para separar os centavos.